quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

Tiraram-me as Medidas

Tiraram-me as medidas no hospital. 
Podem ficar descansadas, babes, que eu chego para todas. 
Já tenho as loirinhas fresquinhas para a festa. Alguém que traga as stripers que estou numa de loucura.


PS - Vou começar a tirar Medicina porque tenho de curar um rim que tenho dilatado. Se chumbar volto a tentar daqui a 20 anos e deixo a minha "cura" para os profissionais quando eu nascer. 

Quando eu nascer??? O que é nascer se eu já cá estou e sinto? Tenho de perguntar aos meus pais, ou não, que já levei uma "rebocada" da minha logo de manhã para eu não ser preguiçoso. Ela diz que tenho de "curar" o rim porque agora é melhor e mais saudável, ralhou comigo mas explicou-me tudo e fez-me festas de incentivo. Será que consigo tirar boas notas?

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

Tenho Sempre Razão

Cá em casa eu tenho sempre razão. 
Quando não tenho é porque aconteceu algum acidente de percurso!


quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

My Valentine Day

Este ano teve de ser, mais uma vez, diferente e mais uma vez tinha de surpreender o L. o que nem sempre é fácil mas... mais uma vez consegui ao meter aos á obra e dar trabalho e largas á imaginação.

Ver o sorriso de surpresa dele fez-me sentir ainda melhor porque foi tudo feito por mim - é um prazer diferente!











terça-feira, 12 de fevereiro de 2013

Conversa de ...



Pois... alguém podia ter-me explicado que os comprimidos de ferro para as grávidas ou a alteração dos mesmos podem causar alterações na cor dos cocós. 


Poupavam-me 3 dias de preocupações e uma descrição exaustiva na linha telefónica da Saúde 24 sobre a cor, tamanho, cheiro, consistência, etc e tal dos ditos cujos.


Não é por nada mas existem conversas mais interessantes para se ter ao telefone... principalmente com uma estranha.




segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

Como Escolher "Cadeirinha" do Bebé


Estes dispositivos estão internacionalmente divididos nestas classes:

classe 0   -   bebés dos 0 a 10 kg (até 9 meses) 
classe
 0+ -  crianças até 13 kg (até 12 meses) 
classe
 1   -  crianças de 11 a 18 kg (de 1 a 3 anos)
classe
 2   -  crianças de 15 a 25 kg (de 2,5 a 5 anos)
classe
 3   - 
 crianças de 22 a 36 kg, (de 4 a 7,5 anos)





Assento da classe 0+   
Bebé voltado para a parte de trás do veículo




Assento da classe 1 
Para criança com mesinha por onde passa o cinto do veículo




Assento da classe 2 
Com a criança a usar só o cinto do veículo




Assento da classe 3 
Com a criança a usar so o assento de baixo e o cinto do veículo






Os bebés até 1 ano ou até aos 13 kg devem de usar o "ovo" com a parte da frente virada para o vidro de trás do carro porque ainda não têm força no pescoço para segurar a cabeça e manterem-se direitos principalmente no caso de uma travagem. Uma travagem mais brusca poderá provocar lesões graves na coluna.



Quando fizer 1 ano de idade a criança já tem condições para ficar sentada de forma estável e nesta altura já se pode alterar o assento para uma cadeirinha voltada para a frente do veículo.


Depois dos 4 anos ou dos 22 kg recomenda-se o uso do assento elevatório ou do booster para a criança ficar mais alta ajustando-se assim com o cinto de segurança do veículo e afastando-o do pescoço da criança. Por norma as crianças com mais de 1,5 metros conseguem usar normalmente os cintos de segurança dos veículos sem o passar junto ao pescoço.
Quando se compra um assento infantil tem de se ter em atenção que o kit deve de vir completo com instruções de montagem, de uso e o selo que comprova que o modelo foi testado e homologado segundo as regras europeias.


Algumas "cadeirinhas" têm aberturas para facilitar a passagem dos cintos de segurança no "encosto" que permitem regular a altura do cinto á medida que a criança vai crescendo. Esta opção pode não ser das mais fáceis porque existem modelos em que é necessário a ajuda do manual de instruções cada vez que se quer fazer a passagem do cinto de segurança pela cadeira e muitas vezes o manual perde-se.



Para adequar o correcto uso da "cadeirinha" da criança ao seu crescimento também pode ser utilizada a regularização da altura do encosto, quando ela existir e a regularização da inclinação da concha para permitir um conforto maior.



Recomendações importantes antes de adquirir uma "cadeirinha" de criança:

  • O peso e altura da criança são factores determinantes na escolha.
  • As crianças devem sempre de ser transportadas no banco de trás.
  • As "cadeirinhas" com mesinha  proporcionam a passagem do cinto de segurança do veículo  sem tocar na criança e o apoio dos braços, para descanso em trajectos mais longos.
  • Alguns modelos fornecem uma fivela metálica que liga a faixa sub-abdominal do cinto à faixa diagonal, para evitar a movimentação da cadeirinha em pequenas curvas ou paragens, antes do cinto bloquear. (um "clip" lateral na cadeirinha pode cumprir essa função e assegurar a estabilidade do dispositivo de retenção).
  • Não utilize dispositivos de retenção de crianças de "segunda mão" ou de procedência desconhecida, pois não se sabe se eles já sofreram algum acidente e tiveram a segurança de seus componentes comprometidos.









fica encaixada.

sábado, 9 de fevereiro de 2013

Novas Regras do GPL


As novas regras para os carros que utilizam GPL estão prestes a entrar em vigor. Eu não tenho GPL mas acho estranhas certas restrições que são aplicadas ás viaturas com este sistema que irão agora e finalmente desaparecer.
Quando a lei entrar em vigor será permitido o estacionamento em parques fechados sem quaisquer restrições e já não será necessário o uso do dístico informativo GPL. 
O diploma já foi aprovado por unanimidade na Assembleia da Republica e com as devidas alterações solicitadas pelo Presidente da República (que já o tinha vetado devido a algumas incorrecções) falta mesmo a publicação em Diário da República do Decreto-Lei.
Os interessados devem de ficar atentos.

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

Voar ao Sonho

Durante praticamente 4 meses, todos os dias á noite, quando me ia deitar e adormecia sonhava exactamente com a mesma coisa. Todos os dias no meu sonho eu não estava cá mas estava lá, estava acordada e a viver o sonho e todos os dias o sonho era igual, sempre igual e parava a determinada altura e voltava a sonhar o mesmo, era continuamente a mesma cena.

Todos os dias eu via á minha frente um bebé já grande, sentado com conhecimento de poucas palavras mas algumas e nenhuma que eu entende-se. Todos os dias estava ali, á frente de alguém com quem brincava mas que eu não sabia quem era.

Deixei de ter esse sonho na passada semana. 

Não sei porquê nas minhas grávidas caminhadas não consigo ouvir outra música que não sejam mantras budistas e junto ao mar na passada semana "desapareci" (coisa que para quem me conhece não é difícil e até relativamente normal). Eu continuava a andar mas noutro local e vi e ouvi... eu estive no meu sonho, fui para lá levada e chorei tanto, tanto... não quero saber se alguém que passava por mim viu mas eu fui ao meu sonho.

- Não chores, fica feliz eu venho para brincar contigo, já tens com quem brincar porque eu voltei. Não fiques triste!  Dizia o bebé a quem estava sentado á sua frente. 
Afinal era eu que todos os dias estava sentada á sua frente no meu sonho, a brincar com ele, mas eu era criança crescida e não adulta, por isso, não me reconheci no sonho e o bebé em algum tempo, ou altura foi meu irmão. Será que é por isso que eu sei á cerca de 20 anos que vou ser mãe de um menino??

Ainda hoje falar ou pensar nisso provoca-me muitas lágrimas e ponderei se deveria de partilhar com quem me lê mas achei que sim porque muita gente esconde-se e apesar de não trabalhada uma existência onde se pode ou consegue voar até aos sonhos é belo. 

Por enquanto a "máquina do tempo" parou e só consegui ver uma coisa para daqui a 20 anos (tal como aos 20 anos onde comecei a ver as coisas para os 30, 33, 35 e 40) mas de certeza que o nascimento do bebé trará outros despertares.


Namaste

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013

A Minha Mãe e o Recado

Mais uma vez falo sobre a minha mãe.

Desde que estou grávida a minha mãe liga-me basicamente dia sim dia não a perguntar se estou bem, se preciso de alguma coisa e desde o inicio que pergunta se o neto está bem (mesmo sem saber o sexo).

Quando estou mais triste ou mal disposta ela liga todos os dias até eu lhe dizer que estou bem.

Quando fui fazer a amniocentese e apesar de saber que o L. estava e esteve comigo durante 2 dias e nos outros dias deixou tudo preparado para eu não ter de me mexer, ela ligava todos os dias.

A minha mãe dá, dá e dá e não pede. 

Á minha mãe eu não tenho medo, nem problemas de pedir porque ela deixa-me á vontade para o fazer e nunca me cobra nada. 

A minha mãe pergunta constantemente o que é que preciso. 

A minha mãe ajuda, ajuda e ajuda sempre com um sorrido e vontade e fica chateada se não se lhe pede ajuda.

A minha mãe que faz com que eu já não saiba viver sem lhe pedir ajuda porque sempre e mesmo pelas coisas mais pequenas ainda estou sempre a precisar dela. A próxima ajuda dela vai ser limpar a minha casa depois das obras para receber o bebé. E como é que ela sabe que vou ter obras? 

Porque dá-me, talvez a maior ajuda de sempre: Liga-me todos os dias ou quase todos os dias para saber como está a grávida e o neto. 

O toque especial do telefonema faz-me lembrar todos os dias que ela me ama. A sua disponibilidade para estar sempre disponível para mim sem nunca cobrar nada faz-me lembrar que tenho uma grande sorte e que para sempre terei uma divida enorme para com ela. 

Essa disponibilidade dá-me certezas. Amo-te Mãe.

As pessoas estão presentes nas vidas dos outros quando querem estar, quando se mostram interessadas, disponíveis, preocupadas, independentemente de serem ou não família cada uma sabe o que quer e procura numa relação, cada um sabe de que família quer fazer parte, de que forma quer ser amado, lembrado e o que quer para si é o que dá para os outros. 

E depois existem aquelas pessoas que esperam que lhes prestemos vassalagem e que por mais desenhos que se façam nunca mudam porque elas são e quererão ser sempre o centro do Universo. A minha decisão para com essas pessoas, sejam elas ou não da família, já foi tomada á muito tempo e tiveram certezas e um peso definitivo desde que engravidei: cada um sabe o que quer ser e onde quer estar dentro do meu coração, perto da minha alma, junto do meu filho. Eu? 



Continuo a dizer que cada um é que sabe o papel que quer ter na minha vida, dar-me atenção e carinho, tal como ao meu filho. Já não tenho desencantos mas sim certezas de louco! 
Ao pé de mim têm estado realmente as pessoas que irão sempre fazer falta na minha vida e ás quais sempre recorrei para chorar, rir, conversar e porquê? Porque têm-me transmito sempre o seu amor e carinho mesmo não sendo da família. Obrigada.



segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

Corações Voadores



Não são suficientes as vezes que digo que te Amo Muito.

Encontros Pré-Natal

Fui convidada pela Pré-Natal para um Encontro Maternal sobre a gravidez, escusado será dizer que adorei, aprendi muitas coisas e estou preparada para não cometer os erros que ela nos disse que são bastante comuns os pais cometerem em relação aos bebés. Ofereceram-me uma sessão fotográfica e tanto conhecimento.

Daqui a 2 semanas lá estarei de novo, mas desta vez, já não é para falar da gravidez mas sim dos primeiros 30 dias de vida do bebé e o papá vai acompanhar-me ;).

Foi 1 hora espectacular, tomei notas e vou deixar aqui uma ou outra coisinha que aprendi e que, do que não sabia, chamou-me mais a atenção:

  • No caso de ter dores por causa da barriga, a cinta ajuda a segurar a barriga e a manter a postura mas só deve de ser usada após o 5º mês.

  • A compra do carrinho tem de ter em conta se a pessoa anda de transportes para poder fechar rapidamente,  o tamanho do elevador, do porta bagagem do carro. Cada pessoa tem que ver o que é melhor e mais prático para si.                                               

  • Os bebés não devem estar mais do que 1h30m/2h no "ovo" porque a zona lombar do bebé fica comprimida e ao fim desse tempo dificulta a respiração. Utilizar a alcofa, o colo, o canguru etc para minimizar esse tempo. O "ovo" dura mais tempo do que a alcofa (aproximadamente até aos 13 kg) e antes dos 9 kg o bebé deve estar sempre no "ovo" quando anda de carro.

  • A alcofa não é muito utilizada em Portugal apesar de ser mais segura e confortável para o bebé que o "ovo" mas só dura até aos 9 kg. As maternidades deixam sair os bebés em alcofas desde que as mesmas tenham o kit de segurança, se não tiverem o mesmo pode ser comprado separadamente. Se vai passar algum tempo fora e tem consciência disso é preferível optar pela alcofa, do que pelo "ovo", além disso a mesma serve para que o bebé possa dormir ao seu lado nos primeiros dias. As alcofas para os carrinhos têm uma dupla porque além de puderem ser transportadas no carro podem servir de caminha nos primeiros tempos mas têm de ser perfuradas por baixo e ter um colchão á parte.


  • Falando de dormir, o melhor local para o bebé o fazer nos primeiros tempos, é numa alcofa mas se escolher o berço o mesmo tem de ser preparado para que o bebé não "anda" ou "baloice". O objectivo/motivo é que o bebé quando está na barriga da mãe e se mexe, sente limites nos movimentos porque a barriga tem um limite e quando vem ao mundo procura esses mesmos limites, se não os encontra vai-se expandindo o que pode se prejudicial nos primeiros tempos dando origem a acidentes. Eles precisam das margens que o nosso ventre lhes dá.


  • Ter em atenção as texturas que se vestem aos bebés. O tecido tem de ter a ver com a estação do ano para o bebé estar confortável e regular de forma natural a sua temperatura, coisa que as mamãs não têm atenção e vestem demais os bebés. Os bebés demoram entre 8 dias a 3 semanas a fazer essa regulação e nesse tempo devem de usar gorro, meias sem costura, bonecos e até aos joelhos, roupas 100% algodão para se manterem macios e não se sentirem "agredidos" pelo ambiente exterior, até as mantinhas devem de ter em conta a estação do ano em que o bebé se encontra.  No meu caso, o meu filho, vai nascer no Verão, portanto, a roupa interior tem de ser de manga curta e a exterior de manga comprida para fina. Se o bebé sentir frio saberemos ao tocar-lhe nas maozinhas e deveremos vestir um  casaquinho, se tiver calor vai começar a transpirar (talvez só umas gotas no nariz). Ter em atenção ás entradas e saídas das lojas por causa do ar condiciona é necessário tapas ou destapar os bebés.


  • Tal como eu achava a roupa dos primeiros dias só deve ser comprada no limite do tempo do dia do parto porque aí saber-se á o peso dos mesmo e muitas mamãs e familiares fazem compras antes e depois não usam as coisas. Depois publicarei um scanner do tipo de roupa para  cada estação e quantidade da mesma. Sim, a quantidade é muito importante porque como nas primeiras 3 semanas o bebé cresce, o que deveremos ter para esses dias é muito pouco.


  • Principalmente nos primeiros dias os bebés detestam  andar sempre a tapados e que se mexa muito neles.

  • A mala do bebé e a da mãe deve de estar pronta no 7º mês. A da mãe , com 2 mudas de roupa) no caso de escolher a camisa de dormir ter em atenção que deve de ser aberta á frente, ou ter botões, para que facilmente possa dar de mamar ao bebé. 


  • A cinta para apertar a barriga só se deve de usar passados 15 dias porque os tecidos já ganharam consistência, coloca-se deitada e deve de ir sendo apertada ligeiramente de 3 em 3 dias.

  • Os produtos de beleza devem de ser manter os mesmos que durante a gravidez: hidratantes.