sexta-feira, 20 de setembro de 2013

Já Sei

Aqui eu dizia que não sabia mas já sei. Soube-o pouco tempo depois do nascimento, sei porque veio e não foi só por mim. 
Sei o que fará no futuro, que profissão irá escolher e objectivamente a área que mais o apaixonara.

Tal e qual como nunca fiz nada para forçar os acontecimentos da minha vida e ela acabou por desenrolar de acordo com o que eu sabia, também nada vou fazer para forçar este futuro. A vida tem estradas e diferentes caminhos que são imprevisíveis portanto não adianta forçar nada, mais vale que as coisas aconteçam por elas e que aconteça o que realmente tiver de acontecer.

Só posso dizer que o meu filho veio ao Mundo para ajudar os outros.

Drive In

No Drive In da Mc Donalds:
Eu: Queria um menu xpto para levar.
Ele: Claro que é para levar a senhora está no Drive In!!!


Eu: ... ... ... ... ... ... ... ... para levar num saco com asas, sff ... ... ... ... ... ... ... ...

quinta-feira, 19 de setembro de 2013

Quando é a Festa?

Quando dou puns riu-me... 
Esperem que eu comece a bater palmas e aí é que vão ver o que é uma festa!!!

terça-feira, 17 de setembro de 2013

As Chuchas

O Diogo não é nem nunca foi muito amigo de chucha e agora deu em chorar quando se lhe mete a chucha na boca e cospe-a. São raras as vezes em que consigo que ele chuche na chucha e não no Dedão Grande e pelo que sei... sai ao pai que também não gostava de chucha.

Antes dele nascer eu já tinha uma ideia do tipo de chucha que ele iria usar e isso veio a confirmar-se quando um dia chego ao hospital e ele tinha feito tanta força a chupar que tinha o que chamei "a marca do palhaço" na boca, que era a marca da chucha.



Estas chuchas que estavam na minha lista negra porque tinham uma partes duras e não maleáveis, que o podiam marcar ou magoar caso ele as deixa-se cair enquanto dormia foram definitivamente banidas nesse dia porque vi a marca que essa lhe fez.


As favoritas confirmaram-se ser a escolha acertada porque independentemente do design interior ele não se queixa de nenhuma e quando as "perde" durante o sono nunca o encontrei marcado ou magoado e muitas vezes ele está deitado em cima delas, até com a cara. Serem moles e maleáveis ajuda muito.


No outro dia fui comprar esta para 4 meses para ver se ele "pegava" numa chucha e largava um bocadinho o dedo mas até agora não resultou. A lógica de pensamento foi: se ele quando nasceu só queria tetinas de 3 e 6 meses pode ser que aceite uma chucha ligeiramente maior...

... naaahhhhh é mesmo dele!!! 


Pode ser que mude, como tudo :)


domingo, 15 de setembro de 2013

O Monstro da Carteira

Diz ele:
- Estás bem, amor?
- Mais ou menos, não durmo em condições á cerca de 2h.
- Então porquê? 
- Porque estou a ter um sonho e não saíu do mesmo sitio. Estou a sonhar que está um monstro dentro de uma mala de senhora grande e tenho medo que alguém abra a mala. Estou sempre na expectativa e se alguém abre a mala!?

Reconfortantemente ele diz:
- Oh amor, não te preocupes volta a dormir que ninguém abre a mala.

Cheguei á conclusão que o meu amor é um homem forte e destemido porque não tem medo de monstros. Ainda bem que ele me ama!!!

sábado, 14 de setembro de 2013

Mudanças???

Esta semana dei cá um bailinho á minha mãe. Decidi mudar e comi, brinquei 1 a 2 h e depois dormi... 

Sim, eu dormi sem chatear, sem chorar muito, sem estar o tempo todo ao colo ou sem ter a minha mamã sempre deitadinha ao meu lado!!! Será que a mudança veio para ficar??? 

Sei lá, eu sou só um bebé alguma solução se há-de sempre encontrar.




sexta-feira, 13 de setembro de 2013

segunda-feira, 9 de setembro de 2013

Cura para o Ressonar

 Sexo!!!

Aproveite que o rebento está a dormir profundamente com a barriga cheia após uma muda de fralda e um biberon de mestre e a meio da madrugada cale definitivamente o seu marido praticando o acto mas... arfe baixinho porque á noite com o prédio no silêncio a vizinhança pode ficar invejosa!

Garanto que ou ele não ressona mais ou você já não ouve, que nunca será interrompido e terá uma vida mais feliz e descontraída!!!

Esqueça todas as outras que possa ler na internet porque o mais certo é nenhuma se adequar a si.

sexta-feira, 6 de setembro de 2013

Pegar ao Colo

Estive a falar com uma mãe que tem um bebé de 3 meses que dorme durante o dia e á noite come e dorme a noite inteira, coisa que não acontece com o meu bebé.

Á noite acorda a meio para mamar mas dorme que é uma beleza. Para ele dormir durante o dia eu tenho de estar ao pé dele e na maior parte das vezes com ele ao colo.

Normalmente da parte da tarde deito-o na cama grande e deito-me ao lado dele, se ele abre o olho e eu não estou começa a chorar e tenho de me deitar ao lado dele, muitas vezes acontece que fico logo deitadinha ao lado do meu aconchego preferido que abre o olhinho durante o sono e como me vê continua a dormir.

Esta foi a solução que encontrei para que um bebé, na altura, de 2 meses dormisse durante o dia, visto que ele chegava a estar 12h acordado. Com tudo isto o menino ficou muito agarrado a mim, talvez demasiado, se é que demasiado existe nestas coisas e agora vou ter que iniciar uma penosa fase de "desmame" mas, não ai ser fácil porque não o suporto ouvir chorar e ele por falta de colinho dobra, triplica, quadruplica o choro e aperta-me o coração. Sei que não vou deixar que isso aconteça de uma forma drástica e dramática mas vou ter de, com ele, começar uma nova etapa da nossa vida porque são muitas, demasiadas horas de colinho.

Mas isto vem a propósito da conversa que tive com a mãe que me disse que não pegava no bebé dela ao colo. Desculpe???? Nem consigo entender...

Se o meu caso pode ser exagerado mas foi devido a uma necessidade não consigo imaginar-me sem o meu filho ao colo, as festinhas no nariz, os beijinhos nele, as suas bochechinhas... e tudo o resto... tudo o que acompanha aquele maravilhoso detentor de cheirinho a leitinho. 

Quando iria eu pegar-lhe???

terça-feira, 3 de setembro de 2013

Yóóóga


Canta Amor Canta

Dizia-me o meu marido ontem à noite enquanto conduzia porque o Diogo decidiu que ou eu cantava ou ele chorava. E foi assim durante 1h...

Quem diria que um dia alguém ia querer ouvir-me cantar!?

segunda-feira, 2 de setembro de 2013

A Necessidade Aguça o Engenho

A necessidade aguça o engenho e nós mulheres além de pessoas muito engenhosas temos sempre muitas necessidades: de cuidar de nós, da casa, dos filhos e... do marido. 

Sim porque por mais que ele seja desembaraçado, em relação a nós, esse desembaraço situa-se para lá de muitos anos de luz atrás e quando somos mães olhar para os nossos queridos esposos dá vontade de suspirar:
- Mas como foi possível Nosso Senhor criar umas criaturazinhas tão limitadas. Será que é por isso que os amamos?

Do que me queixo? De nada, só constato. Sou mãe de um recém nascido e a minha casa está sempre pronta a receber alguém e sem quais vergonhas. Ele ajuda ao não desarrumar, ao cumprir as tarefas domésticas que já eram da competência dele, trabalha imenso, ama-me e vai fazendo algumas coisas e outras tantas, algumas vezes sob pressão desta mãe. 

Quando está mal disposto e se alguma coisa está dessarumada á algum tempo ele diz que eu podia ter arrumado porque eram só 5 minutos, mas vejamos:
- Ele chega a casa do trabalho e nós estamos cansadas do nosso dia de mães e donas de casa, ele pega no menino para cuidar um pouco dele e: Oh amor o menino precisa de mudar a fralda. Oh amor olha que ele quer comer, fazes o biberon. Oh amor eu queria ir comer, podes pegar nele. Oh amor podes trazer a manteiga. Oh amor a loiça ainda está na máquina. Oh amor o menino precisa de mudar de roupa e eu não sei onde estão as coisas. Oh amor preciso de atender este telefonema. Oh amor dás-lhe banho. Oh amor ele já tomou o remédio, então trás lá,  etc...

Nós mamãs durante o dia que estamos em casa pegamos nos bebés com um braço e com o outro arrumamos a loiça, comemos, fazemos comer, fazemos o biberon, metemos a chucha, embalamos, estendemos a roupa, marcamos as consultas, atendemos os telefones dos familiares e amigos, damos as contagens da água-luz-gás, arrumamos o quarto. Isto tudo sem contar com o banho, a brincadeira, o mimo, o passeio, a conversa, a muda de fraldas, o perceber o que se passa quando ele chora e acima de tudo, apesar de todo este cansaço chegar ao final do dia sorrir para o homem que amamos e ver que afinal tudo está como tem de estar: Ele, limitado como qualquer gajo e eu a amar e a cuidar dos meus meninos... mas ás vezes chateia!!!

Diz ele:
- Oh amor porque é que trouxeste o carrinho para cima?
- Porque tinha o menino ao colo e como trazia vários sacos não conseguia pegar em tudo.
- Mas não devias de ter trazido porque ocupa muito espaço!!!
- Amor, tu pegas no menino e não consegues pegar em mais nada, para ti até é difícil fechar a porta á chave porque tens medo que o menino dê um salto e caia dos teus braços e eu pego no menino ao colo, meto a mochila dele ás costas, pego nas chaves meto na porta, desligo a luz, fecho as portas interiores da casa, chamo o elevador, desligo a água e o gás, pego no que tiver de pegar saíu porta fora, chego ao carro abro a porta, deixo as coisas e com a mochila ás costas ainda meto o menino no ovinho e só depois é que me assento a respirar.
... alguém ficou cansado pelo meio?

Se dúvidas existiam sobre a nossa capacidade de engenho e de adaptação para responder ás várias solicitações, todas desaparecem no dia em que damos á luz. Já não és só tu, tens de pensar por ti e pelo teu filho o que faz com que aquele pequeno defeito que o sexo masculino tem de só conseguir fazer uma coisa de cada vez seja ainda mais acentuado porque nesta altura já somos a mulher polvo e tudo tem de acontecer já, neste minuto, neste segundo. Ainda eles estão a pensar no que acabámos de dizer e já tudo está feito, pronto e preparado para seguir em frente. 

No meio disto tudo não existem nem inocentes, nem culpados, só diferenças nos sexos que têm de ser entendidas e adaptadas ao dia a dia para que tudo corra bem. Eles não têm a culpa que nós sejamos enérgicas, rápidas de raciocínio, prontas para agir e que na nossa cabeça caiba tanta informação e coisas que ás vezes ficamos á beira de explodir e nós não temos culpa de amarmos aqueles seres que necessitam tanto do nosso cuidado desde o dia em que nascem até ao dia em morrem (sim falo dos nossos maridos porque têm de ter sempre alguém a tomar conta deles).

São destas pequenas diferenças que se fazem histórias de amor. Cada um tem aquilo que pode aguentar e eu tenho a sorte de "aguentar" com um homem que me ama profundamente e que nada o fará desviar deste caminho. Tudo isto compensa tudo o resto porque a confiança, amizade, o amor são sempre superiores mesmo nos dias em que fico vermelha de raiva e cansada, mando dois berros:
- Estás a abusar!!!



PS - Os 2 berros resultam e eu tenho uma técnica que é: deixo de fazer, como fica sujo...

domingo, 1 de setembro de 2013