segunda-feira, 11 de agosto de 2014

Tapada de Mafra

Andava à bastante tempo para lá ir mas havia sempre alguma coisa que impedia nem que fosse só o tempo que estava. Desta vez consegui e estava bom tempo para passear.

Levei o almoço do Diogo num termo, comprei um frango assado para nós, umas batatas de pacote, um sumo e lá fomos nós piquenicar na Tapada de Mafra. Os preços estavam mais caros do que eu tinha visto mas agora é a época alta e termos escolhido passear depois almoçar significou que não vimos muitos animais porque eles não são parvos e estavam a fazer ao que nós deveríamos estar a fazer: a sesta.

Tivemos de fazer o caminho verde, mais curto mas o melhor para carrinhos de bebé porque o Diogo precisava descansar depois de almoço e ele está sempre primeiro. Quando acordou e os caminhos eram menos acidentados lá ia ele, todo contente nos seus passinhos lindos ao lado do pai.

Foi uma tarde bastante agradável e só não ficámos para ver os falcões porque tínhamos de esperar 1h e com o Diogo tornava-se cansativo porque ele ficou com aquelas disposições em que tinha de meter tudo na boca e não estava bem em posição nenhuma. Mas havemos de voltar porque eles têm actividades muito giras.









sexta-feira, 8 de agosto de 2014

Fiesa 2014 - Música II

A cada ano que passa noto o Festival Internacional de Areia está mais fraco. Ok que as infraestruturas melhoraram e tudo perdeu o ar hippie que tinha inicialmente e eu falhei 3 Festivais mas os preços aumentaram muito e ficou impossível despender estes valores para um bom fim de tarde em família.

Até chamar bom fim de tarde em família começa a ser posto em causa porque uma das coisas óptimas que o Festival tinha era a iluminação que dava um ar dramático e parece que propositadamente meteram as luzes de qualquer forma.

Outra coisa que nunca me tinha acontecido foi ter sido violentamente atacada por mosquitos e ter ficado toda picada.





terça-feira, 5 de agosto de 2014

Passear em Islantilla

Em Islantilla o Diogo divertia-se a brincar na areia, grandes passeios à beira-mar e no novo hobbie: mexer no telemóvel do pai. Quando os espanhóis chegavam á praia ás 10.30 (com crianças e um sol abrasador) já nós estávamos fartos de lá estar e de curtir a calma.


Fomos alguns finais de tarde comer um gelado ao Centro comercial e andar no paredão, onde muitas vezes o Diogo se deliciava a dizer a dizer adeus e olá ás pessoas. Não gostei, particularmente de ver que já era permitida a venda ambulante ilegal porque é feita em cima do enorme passeio e condiciona a nossa movimentação.










Em frente ao hotel existem umas ruas calmas por onde podemos preguiçar depois de jantar e fugir ao esganiçado da voz da senhora que se chamava cantora e que actuava no nosso hotel. Por momentos algumas delas fazem-nos sentir que poderemos estar na Grécia mas... é só ilusão.

Afinal a indisciplina existe em todo o lado e felizmente não havia trânsito porque tínhamos de ir com o Diogo para a estrada.


O melhor dia de praia acabou por ser em Nuevo Portil numa lagoa sem alforrecas, águas muito mais quentes e calmas. O Diogo adorou brincar com as algas. Como já disse, não me parece que vá voltar tão cedo a Islantilla.


segunda-feira, 4 de agosto de 2014

Diogo no Golf Playa Country Club

A primeira semana de férias foi passada em Islantilla, no Aparthotel Golf Playa Country Club, apesar de ser um Aparthotel decidimos ir regime de Tudo Incluído porque como sócios da Interpass temos direito a preços mais acessíveis, todos estávamos muito cansados e como sabem bastante stressados. Por 560€ para 2 pessoas, ficámos uma semana sem pensar em nada para comer a não ser gelados.

Apesar de terem corrido bem as coisas podiam ter corrido melhor mas a Administração da Interpass já foi informada do que tinha de alinhavar e já meteu mãos á obra para modificar algumas coisas, o mesmo não se pode dizer que muitas Administrações por isso uma salva de palmas para eles. Os "cantores" foram os primeiros a ir cantar para outro poleiro.

Saliento acima de tudo a simpatia e disponibilidade dos funcionários, principalmente dos do buffet - nunca tinha visto tamanha disponibilidade.

Já era a terceira vez em Islantilla e a segunda neste aparthotel mas agora com o Diogo outras coisas nos chamaram a atenção pela negativa e não tencionamos voltar tão depressa. Não é porque o aparthotel tem 2 andares e torna-se perigoso para ele que só quer subir escadas mas a praia é um pavor com a água sempre baça, fria e com alforrecas. Desisto, em Portugal estou melhor (...e estive...).

A versão romântica do apartamento que sempre encantou. Problema: as ventoinhas não dão fresco suficiente em dias muito quentes e até descobrirmos que elas rodavam ao contrário, levando o vento para cima e espalhando-o, andámos desesperados porque não sabíamos como refrescar o sono do Diogo.


As escadas complicaram-nos a vida mas estas portas com grades facilitaram e ajudaram o Diogo a ver e brincar com as pessoas que passavam, entre isto e o desarrumar das gavetas da cozinha para brincar com os utensílios quase que não teria precisado de levar os brinquedos (que nos acompanharam todas as férias).

 


A piscina fazia os encantos do Diogo que era tirado da água sob protesto, quando começava a tremer mas... a piscina grande que dava para boiar, rodopiar, pular ao colinho da mamã, dar saltos no ar com o papá e ir ao repuxo fazer com que a força da água rodasse a bóia - acho que vamos ter um viciado em parque aquáticos!!!

O Diogo que já andava a "estudar o assunto", nas nossas idas ao fim de semana à praia, definitivamente meteu-o em prática destas férias: ir à água esteja ela quente ou fria é com a mãe!!! Chega-se ao pé de mim, segura-me na mão e se não me mexo puxa-me :). Se vir que o pai está sentado na piscina, gatinha até lá.




Depois das grandes banhocas, muitos risos e rodopios era andar, andar, andar e beber grandes coktails de água.

No hall de entrada/recepção havia internet, bastava pedir a password e... e nada, ou quase nada porque uma pessoa queria postar alguma coisa no Instagram ou ver as noticias no telemóvel e aquilo mal se mexia mas... também ninguém tem nada que andar de volta destas coisas nas férias portanto até nem calhou mal.

Diogo a fazer o chek-out perto das 11h e já com um calor de respeito. Acho que devo ter uma costela hippie não chic - é uma balda!!!


++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++
PS: se têm crianças não se esqueçam deste pequeno objecto.Chamem-me paranóica mas deu cá um jeitão
++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

sexta-feira, 1 de agosto de 2014

Adoro Férias

Ter tido a possibilidade de gozar 3 semanas de férias foi fantástico e acabou por ser o ideal. Entre praia, praia e mais praia, piscina, piscina e mais piscina estas férias foram muito tranquilas, com muito descanso, diferentes e acima de tudo fantásticas porque foram as primeiras com o meu maior amor.

Ele adorou a praia e a piscina, brincou imenso na areia e andou, andou, andou... andou tanto que no dia 25 de Julho ás 21.30 começou a dar os primeiros sozinho na casa do meu padrinho. Já tinha ameaçado várias vezes mas teimava em não querer largar o nosso dedinho mas bastou o pai fingir que o agarrava e só tocar-lhe ligeiramente para ele sentir a segurança do toque e começar a sua nova vida com acesso a novas descobertas. Temo-nos divertido muito com esta nova vida.

Foram tomadas decisões e resoluções que pensamos irem mudar algumas coisas na nossa vida, todos estamos dispostos a tentar porque não queremos ver morrer o sonho e o amor. Queremos ser felizes.

Agora vai um cheirinho.


O pior das férias foi mesmo as alforrecas em Islantilla. Tão depressa não volto lá porque tenho medo de ir ao banho e de deixar o Diogo ir.


quinta-feira, 3 de julho de 2014

Assim Assim

Assim sem mais nem menos o meu mundo ia ruindo e de vez. Não que eu, não o ame mas o cansaço que já tinha tomado conta de mim falou mais alto.

Sempre fui criticada por não pedir ajuda e sempre disse que quando precisa-se o faria mas quando fiz, o meu marido decidiu trabalhar ainda mais o que levou a que eu entrasse em rotura. Ele não reconhece que tem um problema, que é workaholic, esquece-se que está a trabalhar e deixa passar as horas de sair do trabalho (tenho de estar sempre a ligar-lhe), em casa agarra-se ao computador e eu fico sozinha e ele acaba por se esquecer que entre outras coisas tem trabalhos domésticos para fazer.

Tantas vezes avisei e conversei e gritei e discuti que naquele dia a nossa relação ficou por um fio. Estou cansada de o dividir com o trabalho, de ouvir dizer que tenho razão mas depois repetir o mesmo erro e se for preciso na mesma semana.

Pelo meu filho estou disposta a tudo e se é para estar sozinha prefiro que seja cada um no seu lugar, já tive tempo e oportunidade para pensar e repensar tantas vezes no assunto, tantas foram as oportunidades que ele me deu que acabei por ter tudo preparado para definitivamente sair de casa com o meu filho. Ele não quer e eu também não mas eu não quero mais viver assim, estou farta de chorar e esta vai ser a secunda oportunidade que lhe vou dar desde que o menino nasceu. Dizem que estamos a atravessar a fase difícil dos 7 anos e que é ainda pior com um bebé...

Quando rebento sou uma besta, digo tudo o que sinto doa a quem doer, não quero saber, só quero ser feliz e se isso implicar a 2 em vez de a 3 quero fazê-lo.

O meu ponto de cansaço atingiu um extremo tão grande que eu já estava cansada de estar cansada. Não conseguia raciocinar, parava a meio caminho porque não me lembrava do que tinha estado a fazer, para onde ia, o que ia fazer. Até me esquecia que tinha acabado de escrever o que precisava fazer e quando me lembrava não sabia onde estava o post it (que podia estar à minha frente mas eu não o via).

Deixei de dormir em condições, o que agravou tudo. Sonhava coisas e lembrava-as todas, dormia a pensar em pormenores, coisas simples que tinha de fazer e enquanto não fizesse não descansava, quando o despertador tocava tinha a sensação que nem me tinha deitado. Pedi-lhe ajuda porque estava cansada demais para conseguir fazer alguma coisa e fiquei sozinha.

Acabei por não conseguir fazer 2 coisas ao mesmo tempo como tomar conta do Diogo e fazer-lhe as refeições. Tudo era um esforço demasiado grande mesmo não dando o Diogo trabalho porque 80% das vezes ele entretém-se sozinho mas ter de olhar para ele com um olho e ter o outro noutro local era demasiado para o que a minha cabeça conseguia fazer.

Expliquei, tentei fazer-me entender várias vezes e apesar de tudo e de dizer que me percebia e que me ia ajudar ele deixou-me ficar mal pondo em causa o meu filho e isso não admito de ninguém, já basta uma "madrinha" que não lhe liga absolutamente nenhuma, não vou ter um pai assim. 

A bronca rebentou quando lhe disse que precisava que ele estivesse em casa o mais tardar ás 18h porque eu não tinha nada para o menino comer, chegou a casa ás 19.30, quando o meu filho come ás 19h, desta vez a desculpa foi o trânsito mas se ele tivesse feito o que lhe competia ás 17h tinha saído do trabalho mas não, alguém ou alguma coisa está sempre primeiro. Houve uma grande discussão mas para nada porque 3 dias depois voltou a acontecer exactamente a mesma coisa, só que desta vez a culpa não tinha sido do trânsito porque ele estava ao pé de casa mas a desculpa foi que se tinha distraído com as horas e por isso chegou a casa ás 18.30 e o menino sem comer. Mas quem é que distraí por sistema a trabalhar, com a agravante de ter uma mulher "doente" em casa, com um bebé e que lhe pede ajuda???

Foi a confusão na minha casa e sinceramente não sei se as coisas vão mudar. Por enquanto vou ficar em casa a ver o que acontece porque finalmente ele, apesar de não reconhecer que tem um problema está disposto a fazer terapia de casal para salvar o casamento mas a verdade é que não sei. São muitos anos a chamar-lhe a atenção e vícios que ele tem que não mudaram com a paternidade. 

Se quero ficar? Se tivesse esperança diria que sim mas sem esperança vou deixar andar, talvez as coisas mudem mas se não mudarem já tenho tudo pronto para, em qualquer dia ou hora, sair tranquilamente porque o problema nem era sair mas sim a ideia do fim que magoa muito. Ele deu-me espaços e oportunidades para pensar nas coisas tantas foram as conversas e promessas de mudanças. Aqui não se põe a questão de eu o amar ou não mas sim a questão do que eu e amo e do que é melhor para o meu filho.

Entretanto a pediatra o Diogo sugeriu-me outra forma de abordar o problema do cansaço, que era em vez de pensar que eu estava esgotada e por isso não dormia, pensar que o não dormir me deixava esgotada e consultar uma terapeuta do sono.

Fui comprar Valdispiert noite mas a verdade é que aquilo só começou a fazer efeito, quando antes de tomar o comprimido, eu bebo uma cerveja, um vinho do Porto. Agora vou de férias e as coisas vão certamente acalmar depois logo se vê...

Espero que mudem para sempre e definitivamente porque estou farta destes altos e baixos na minha vida e não os aguento mais. Aqui não se põe a questão do Amor mas só Amor não basta.

quarta-feira, 25 de junho de 2014

6ª Doença e 1ª Febre

Um ano e alguns dias depois de nascer o Diogo ficou doente. Nada de grave nem de stressante não fosse eu ter ligado à pediatra ao fim de 24h porque em vez de diminuir a febre atingiu os 38.9º e ela ter dito que com os antecedentes renais do Diogo o melhor era ir com ele para o Hospital da Estefânia para ser feito um exame à urina e despistar a possibilidade de uma infecção urinária. 

Coração de mãe treme mas não falha e era mesmo só uma febre. Muito colinho e mimo à mistura porque o bebé não fez por menos, nem esta mãe galinha deixava e a febre passou mas apareceram borbulhas na cara, pescoço, barriga e costas. Sempre pensei que fosse da febre mas ao 2º dia sem febre as borbulhas aumentaram.

Ás 15h30 duma terça-feira não havia no Centro de Saúde do Dafundo nenhum pessoal técnico para me atender, só pessoal administrativo. Os médicos e enfermeiros tiveram uma reunião e estavam a almoçar e não ficou ninguém qualificado de prevenção. A oferta para marcarem uma consulta para as 16h40m ainda me indignou, enervou e enfureceu mais e tal como disse fiz: ás 16h40 já estava tranquila e calmamente a sair do Hospital da Estefânia com o diagnóstico de Exantema Súbito ou 6ª Doença efectuado não por 1 mas por 3 médicos (que isto de crianças não é para brincar).

O que é Exantema Súbito ou 6ª Doença? O médico disse-me logo que era uma doença comum, conhecida e diagnosticada desde o séc. 18. A 6ª Doença não traz nenhum problema para o bebé, desaparece no espaço de 3 a 4 dias depois de aparecerem as borbulhas, o facto de ter borbulhas significa que muito dificilmente irá voltar a ter febre e que não tem qualquer tipo de tratamento a não ser o tempo. 

Para um maior apoio e conhecimento sobre a também chamada Febre dos Três Dias pode consultar o site Educare ou este folheto de leitura rápida e fácil.

quarta-feira, 18 de junho de 2014

Quem Pode Pode... a Piscina.

É bem verdade que quem pode, pode e não é uma questão de dinheiro mas... de espaço!!! E como na casa do avô existe espaço, o Diogo, que é super fã de água, ganhou uma piscina para brincar nos dias de Verão. 

Eu e a tia morríamos de inveja no dia em que ele a estreou e vamos ficar mortas...

terça-feira, 17 de junho de 2014

Aniversário do Diogo

O meu bebé já está um bebé grande e fez 1 aninho. Sexta-feira contei com a ajuda da minha mãe para fazer as paparocas (menos o bolo), a minha madrasta trouxe umas coisas e a minha irmã ajudou com as decorações em EVA que fizeram a diferença junto aos meus palitinhos. Toda a festa foi caseira.

No sábado passado convidámos alguns amigos mais chegados e a família para soprar as velas. Apesar do calor foi uma festa tranquila na Fábrica da Pólvora em Barcarena.

E para quem disse que não valia a pena porque ele não se vai lembrar de nada respondo: 
- O que ele viu e sentiu vai ajudá-lo a construir a sua identidade porque aquele dia faz parte de todos os outros desde que ele nasceu que têm contribuído para ele ser o bebé que é, só que neste dia, além de um comportamento exemplar para um bebé ele soprou as velas, recebeu prendas e esteve o tempo todo a ser bajulado e mimado. Tudo faz parte...

A pedido de várias famílias e como variei ligeiramente o menu fiquei de publicar as receitas mas enquanto elas não chegam aqui vai um cheirinho da Festa de Aniversário mais linda do Mundo.