quarta-feira, 30 de abril de 2014

Protecção Solar para Bebés

- Dra. agora com o Sol tenho protecção 50 para o Diogo.
- Meta o bebé ao Sol porque apanhar Sol protege o bebé contra infecções e doenças.
-E o protector?
- É demasiado elevado mas meta se ficar na praia todo o dia ou até mais tarde, mas se puder é preferível  ele estar à sombra.
- E em relação à roupa de protecção solar, compro?
- Se quiser e não tiver onde gastar o seu dinheiro.

E assim se resume uma conversa pediátrica sobre os cuidados a ter com o Sol. É por estas e outras que gosto muito dela - sempre prática. De salientar que ás 11/12h já não estou na praia.

terça-feira, 29 de abril de 2014

Upa... de Pé!!!

E prontos mais um dia com história... Desfiámos os olhos por segundos e de repente foi o que se viu. Agora não quer outra coisa e por acaso ainda não se magoou nas quedas. 

Depois disto ficou um destemido explorador e como não gatinha percorre a casa arrastando-se com a mania que anda a treinar nos Comandos.

Dia 23 de Abril ás 15h 45m

segunda-feira, 28 de abril de 2014

Os Lençois

Porque é que esta foto é importante? Não, não é por ter sido o ante penúltimo dia em que o Diogo dormiu com o berço subido. 

É porque os lençóis são de linho da tetravó dele. 
A minha mãe guardou o linho que herdou da minha avó e fez estes lençóis para o neto mais bonito do Mundo.

No Pingo Doce

A mamã gosta dos brinquedos e do preço, o papá também e o Diogo?
Não quer saber do preço e gosta muiiiiiitttttooooo dos brinquedos.


Ai as Minha Férias (Piquenas)

Pois sim , estive numas mini férias e aprendi muito. Não fui para lado nenhum e a ideia era não ir mas fazer algum turismo pelas redondezas só que... aprendi que com crianças as coisas podem ser bem diferentes e não correrem conforme o não planeado. 

Sim, sim eu disse: Não Planeado!!! As coisas foram faladas por alto, programadas nas nuvens e quando chegou a hora votou mais forte a preguiça, a panfernália de coisas de repente temos de fazer e que não teríamos se tivéssemos a passar férias fora de casa, o meu marido decidiu ir trabalhar ao fim do dia uns dias o que também me estragou os dias completos porque ninguém quer férias a olhar para o relógio... 

Eu disse olhar para o relógio? Disse. É outra coisa que tenho de me habituar. Tenho de me habituar a olhar para o relógio quando estou de férias porque o Diogo tem horas para tudo e ele é muuuuiiiiiiito pontual.

Mesmo assim diverti-me nos pequenos passeios que consegui dar e deliciei-me com o melhor das minhas férias: a permanente companhia do meu filho. Existem férias melhores que estas seja onde for?

Resumindo: aprendi que tenho de planear melhor as minhas futuras férias se as quiser ou for obrigada a passar em casa porque tudo tem um tempo.

PS- Tenho triliões de coisas para contar. Será que vou conseguir????

quinta-feira, 17 de abril de 2014

Ebay #2 - Chapéus para o Diogo para o Verão

São 6 e não gastei 20€. Chegaram no inicio do mês, mesmo a tempo dos primeiros raios de Sol.
Bom para a praia apesar não ter as abas à volta

O Puto fica todo "pausado" com este.
O "defeito" é que o interior é preto mas que dá estilo...
Ficou grande demais.
Eu já desconfiava mas teimei. Vai ser guardado para mais tarde.
Para quando ele se levanta da cama para ir para os avós e vai directamente para a rua.
É muito mais giro ao vivo.
Este é tão giro mas tão giro.
É mesmo à bebé e fica-lhe muito bem.

Ebay #1 - Piscina para o Diogo

Material: PVC  Size: 61x14 cm Inside: 50 cm

Chegou a piscina para o Diogo levar para a praia. 

Eu acho que ele vai querer estar sempre junto ao mar e ignorar a piscina mas pelo sim pelo não...logo se vê.

É tal e qual a foto e a descrição do vendedor.

Por 5€ esperei 13 dias



Como andam sempre a perguntar-me  pelas minhas compras no Ebay, como faço, etc. Quando tenho dúvidas pergunto a alguém que saiba que parece que sou leiga nisto mas na realidade sou croma...
Atenção: para comprarem no Ebay têm de se registar no paypal e ter em atenção que a partir de certo valor paga-se taxas alfandegárias (coisa que nunca me aconteceu porque mando vir sempre coisas baratas e quando souber o site e o valor informo)

Brincadeiras e Jogos para Bebés até aos 12 Meses

Jogos e actividades que ajudam a desenvolver as capacidades cerebrais e cognitivas dos bebés. Tenha sempre em atenção se o bebé está disposto para brincar ou para descansar.

DOS 0 AOS 3 MESES

  • Deite-o de costas no berço e chame-o pelo nome até que ele vire os olhos ou a cabeça para onde vem o som. 
  • Massaje o corpo do bebé enquanto sorri e olhe-o nos olhos ao mesmo tempo que diz o seu nome.
  • Pegue-lhe ao colo e embale-o suavemente enquanto diz uma frase carinhosa "Miminhos, gosto muito de ti" e no ti beije-lhe uma parte do corpo.
  • Fale num tom mais alto com o bebé junto á sua cara e a olhar-lhe nos olhos.
  • Deixe-o ouvir músicas suaves ou canções de embalar com melodias repetidas porque são muito calmantes.
  • Sopre e depois beije nas mãos do bebé enquanto lhe diz que são as mãos. Faça o mesmo para outras partes do corpo (ele vai gostar muito de ser soprado nos cotovelos, dedos, pescoço, faces e dedos dos pés)
  • Olhe sempre o bebé nos olhos e com ele encostado a si responda aos sons que ele faça.
  • Como bebé ao colo caminhe pela casa. Ande e pare, ande e pare...
  • a forma como tocamos e estimulamos os bebés pode ter efeito no tipo de adultos que serão, faça-o sentir-se protegido entoando uma canção enquanto o embala e beija.
  • Cante a mesma canção enquanto lhe muda a fralda e lhe vai beijando os dedos dos pés, das mãos, o nariz.
  • Deixe que essa canção seja a Vossa.
  • Para fortalecer as mãos e os dedos do bebé sente-o ao seu colo e coloque o seu dedo indicador na mão dele (ele pode ou não agarrá-lo). Sempre que ele agarrar o seu dedo diga-lhe uma frase de estimulo como por exemplo: "Tens muita força bebé."
  • O bebé fica muito contente quando vê a sua cara e a cara de pessoas que gosta por isso diga-lhe uma quadra perto do nariz que acabe em partes dos corpo em que de seguida vai tocar e beijar. 
  • Experimente diferentes expressões faciais e sons para desenvolver os sentidos de visão e audição do bebé.
  • Segure um lenço com cores vivas em frente ao bebé e movimente-o suavemente. Tem a certeza que ele está a olhar? Então desloque-o lentamente de um lado para o outro, assim o bebé vai ser estimulado a desenvolver a capacidade cerebral.
  • Toque nos braços do bebé com tecidos diferentes e experimente cheiros diferentes para o expor a várias sensações e a outra consciência do Mundo.
  • As sombras nas paredes e seus contornos são de grande interesse para o bebé. Faça sombras com as mãos e arranje um mobile que as projecte para desenvolver as suas capacidades visuais.
  • Para desenvolver a consciência de espaço e equilíbrio do bebé vire-o em várias direcções. Pode ir cantando-lhe.
  • Deite o bebé de costas e sem forçar mova-lhe as pernas como se estivesse a andar de bicicleta. E cante os bebés adoram que lhes cantem.
  • Com o bebé ao colo olhe-o nos olhos, deite-lhe a língua de fora e faça um som. Volte a pôr a língua para dentro e repita tudo mas com um som diferente.
  • Quando olhar fixamente no bebé ele vai fazer os mesmo, nessa altura mude a expressão do rosto.
  • Observe a reacção do bebé ás canções com um tom de voz mais alto e mais baixo.
  • Fale com o bebé sobre o que está a fazer, recite poesias, rimas de embalar e vá variando o tom de voz.
  • Dê ao bebé coisas interessantes para observar. Por exemplo, quando lhe está a mudar, fora do alcance dele mas de forma a que você possa tocar, pendure uma bola insuflável, um balão e balance-os. Deixe-o tocar depois de mudar a fralda.
  • Numa superfície macia deite o bebé de costas e sem forçar o movimento agarre-lhe no tornozelo e na coxa de uma das pernas e passe por cima da outra, o resto do corpo vai acompanhar e depois coloque-o na posição inicial. 
  • Coloque a barriga do bebé em cima de uma grande bola insuflável. Segure-o bem e role lentamente a bola para frente e para trás, isto vai relaxar o bebé.

DOS 3 AOS 6 MESES
  • Pegue em vários brinquedos coloridos e mostre, um de cada vez, ao bebé, acenando-o.
  • Com cuidado pegue nas mãos do bebé e bata palmas em frente á cara dele.
  • Sente-se em frente ao espelho com o bebé ao colo. Fale com ele. Pegue-lhe em diferentes partes do corpo e acene-as frente ao espelho, bata-lhe as palmas, abane a cabeça, etc.
  • Toque suavemente em várias partes do corpo do bebé enquanto as menciona usando rimas.
  • Leve o bebé a observar sítios e pontos diferentes e em movimento: máquina de lavar roupa, árvores, pássaros, carros, etc
  • Deite-se de costas e coloque o bebé sobre o seu ventre. Segure o bebé com firmeza pelo tronco, levante-o no ar e aproxime-o da sua cara enquanto lhe pergunta onde está o meu bebé e depois afaste-o.
  • Com o bebé deitado de costas levante-lhe uma perna enquanto diz: para cima e depois baixa contando para baixo. Repita com os braços, os dois pés ao mesmo tempo e os dois braços.
  • Para fortalecer os músculos do bebé deite-o de costas numa superfície estável e segurando-o pelos tornozelos, dobre-lhe e estique-lhe as pernas sem forçar. E cante, cante-lhe sempre.
  • Segure nos dedos do bebé e levante-lhe cuidadosamente os braços enquanto vai dizendo para cima ou para baixo. Faça o mesmo com as pernas. Tente acabar o jogo levantando o bebé no ar e baixando-o com um beijo.
  • Imite os sons que o seu bebé faz. Pegue nesses sons e transforme-os em palavras e frases. Ponha os dedos dele sobre os lábios
  • Grave os sons do bebé e de-lhe a ouvir. 
  • Diga uma frase curta ao bebé e quando ele responder com um som, pare de falar e olhe-o nos olhos. Enquanto ele falar aproveite para acenar com a sua cabeça ou fazer um sorriso.
  • Coloque objectos coloridos nos tornozelos do bebé, com ou sem som, para ele dar pontapés de desenvolver as capacidade motoras.
  • Deite.o bebé de barriga para baixo numa superfície macia, segure num brinquedo em frente á cara dele e quando tiver a certeza que ele está a olhar afaste o brinquedo de forma a que não só os olhos mas também todo o corpo o sigam. O objectivo é fazer com que o bebé se vire de barriga para cima e para baixo mas tenha atenção porque o bebé pode facilmente cansar-se.
  • Segure o bebé por debaixo dos braços e faça dele um boneco dançante deixando-o tocar com os pés numa superfície.
  • Pegue em duas colheres de pau e bata com elas uma na outra ou numa superfície. Ajude o bebé a fazer o mesmo.
  • Já disse para cantar?  Nunca pare de cantar para o seu bebé enquanto brinca e joga com ele. É importante  que ele sinta a sua alegria. Com ele ao colo pode balançar-se, rodar, dar pulos, passos grandes e pequenos, etc.
  • Segure o bebé com firmeza e balance-o: deitado de costas nos seus joelhos, de barriga, sentado no seu colo, para o lado, para frente e para trás. etc.
  • Para o ajudar a gatinhar, deite-o no chão de barriga para baixo e ponha um brinquedo à sua frente mas fora de alcance. Isto obriga-o a movimentar-se na direcção do objecto.
  • Deixe-o de barriga para baixo no chão e empurre-o pondo as suas mãos nas plantas dos pés dele.
  • Segure um brinquedo à frente dele e depois esconda-o. Faça-o aparecer e... esconda-o, faça-o aparecer e... esconda-o.
DOS 6 AOS 9 MESES
  • Continue com as brincadeiras em frente ao espelho: sorria, agite o seu corpo e o dele, faça caretas, produza sons, imite sons de animais, baloice.
  • Produza diferentes sons com a boca aberta e fechada.
  • Pegue num brinquedo que imita som e esconda-o do bebé. Pergunte-lhe onde está a música e festeje quando ele a descobrir ou virando-se ou gatinhando na direcção.
  • Esconda um brinquedo debaixo de um tacho e levante-o. Mostre-lhe como se faz e ajude-o a fazer.
  • Faça-lhe brinquedos usando botões, latas, caixas plásticas, feijões, garrafas plásticas, pequenas tampas plásticas coloridas, pedras, etc.
  • Diga a Rima do polegar, polegarzinho á medida que vai tocando nos dedos da mão do bebé. 
  • Se o bebé se sentar faça rolar uma bola na sua direcção, de preferência uma macia.
  • Sente-se numa cadeira com costas e sente o bebé nos seus tornozelos. Segure-o pelas mãos enquanto o balança para cima e para baixo.
  • Brinque ás escondidas com um fantoche, escondendo-o e mostrando-o enquanto diz: Cucu ao mesmo tempo que coloca o fantoche em frente á cara do bebé. Faça aparecer o fantoche em sítios diferentes ( em cima da cabeça do bebé, atrás de si)
  • Sente-se frente ao bebé e tapa a cara com uma toalha ou fralda de pano, quando destapar faça Cucu. Meta a fralda por cima da cabeça do bebé.
  • Tape as cara com as mãos e destape-as fazendo Cucu.
  • Tape os olhos ao bebé com as mãos dele e afaste-as.
  • Segure uma fralda entre si e o bebé e espreite pelos lados, por cima, por baixo.
  • Jogue ás escondidas com o bebé escondendo-se total ou parcialmente atrás dele, de um aporta, etc.
  • O seu bebé acha muito divertido brincar com brinquedos de apertar e parecem preferir os de borracha. Se ele ainda não conseguir apertar, ajude-o.
  • Dê ao bebé objectos pequenos para ele brincar estimulando as suas capacidades motoras.
  • Dê ao bebé um recipiente onde ele possa tirar e pôr os seus brinquedos.
  • Dê um objecto ao bebé e peça-lho de volta.
  • Com esta idade os bebés já conseguem apanhar comida e metê-la na boca, dê-lhe ervilhas cozidas, pedaços de cenoura cozida ou frutas para ele brincar.
  • Associar o movimento á música diverte o bebé. ande com ele pela casa com uma cantilena e depois num som especifico, que deverá ser o mesmo, levante-o no ar, desça-o e beije-o.
  • Cante para o seu bebé. Não importa que ele não entenda. Tem vergonha? Fala-lhe baixinho, alto, num tom mais agudo e grave. Quanto mais palavras o bebé ouvir mas estimulado será o seu cérebro e a sua  voz acalma o bebé e faz com que estabeleçam uma maior ligação afectiva.
  • Acene com as mãos do bebé ás pessoas que ele conhece.
  • Inclua os bebés em conversas para que ele possa ouvir várias palavras e sons. 
  • Oiça rádio e músicas variadas para que o bebé oiça sonoridades diferentes
  • Interaja com o bebé em conversas, sons e palavras porque ele vai tentar responder-lhe.
  • Dedique um tempo para que ele possa manusear livros. Quando ele parar em determinada página fale-lhe repetidamente do que ele está a ver.
  • Se ele já tentar trepar, ajude-o em pilhando almofadas.
  • Associe gestos a imagens - será uma boa altura para aprenderem juntos a linguagem gestual.
DOS 9 AOS 12 MESES
  • Se estiver bom tempo deixe-o brincar ao ar livre gatinhando na relva, cheirando flores, dando nomes ás coisas, rebolando na relva, etc.
  • Esconda um objecto que produza um som continuo (ex: relógio) e deixe que ele o encontre, se necessário ajude-o.
  • Pegue numa caixa e meta lá dentro um objecto e ajude o bebé a tirá-lo de lá, repita o jogo até ambos quererem.
  • Vejam fotografias juntos e diga o nome de uma pessoa e tape a foto. Pergunte ao bebé onde está pessoa.
  • Rimando aponte para uma parte do seu corpo. Pegue na mão do bebé e faça o mesmo no corpo dele.
  • Deixe o bebé brincar no banho e lhe a luva de lavar. Ele vai gostar por causa da textura. Aproveite para esconder um brinquedo dentro da luva e faça cucu.
  • Quando estiver a dar banho ao bebé encha um copo com gelo e de-lhe outro vazio. Deixe cair um cubo dentro da banheira e tente que o bebé o apanhe com o copo dele.
  •  Ponha um cubo de gelo na mão do bebé, deixe-o cair e ajude o bebé a apanha-lo.
  • Enquanto ele está na banheira balance-o para trás e para a frente e cante-lhe.
  • Os bebés gostam de ouvir a palavra pontapé. Incentive-o a dar pontapés.
  • De pé levante os braços e diga ar, incline-se para a frente e para baixo e toque nos dedos dos pés enquanto diz pés de cante la li la la li. Incentive o bebé a fazer o mesmo ou semelhante.
  • Sente-se no chão e vire o bebé para si. Faça várias palhaçadas e incentive-o a imitá-la: deita a língua de fora, faça sons com caretas, vire a cabeça em várias direcções, bata com os punhos e grite, bata palmas, deite-se de costas de dê pontapés para o ar. Faça tudo isto, de novo, em frente a um espelho.
  • Tente ter um brinquedo de empilhar como aqueles de argolas para que as possa atirar, enfiar nos dedos, girar e empilhá-las.
  • Ande com o bebé ás cavalitas porque ele adora. Movimente-se de maneira diferente: ao pé coxinho, salte, ande em círculos, etc.
  • Deite o bebé de costas e vá-lhe tocando em várias partes do corpo enquanto diz que partes são, repita.
  • Tente que o bebé imite movimentos seus, se possível frente a um espelho e ajude-o na imitação.
  • Sente-se no chão virada para o bebé, segure na ponta de cachecol e dê-lhe a outra ponta. Puxe lentamente e ajude-o a imita-la. Quando ele puxar com força deixe-se cair.
  • Dê ao bebé colheres de pau e deixe-o bater em várias superfícies.
  • Escolha uma canção que o bebé goste e cante-a de várias formas: voz alta, em sussurro, boca fechada, etc.
  • Cantar sobre sentimentos ajuda o bebé a compreendê-los.
  • Se responder positivamente aos primeiros sons do bebé ele vai repeti-los.
  • Imite os sons que o bebé faz.
  • Fale com o bebé num tom alto para ele prestar mais atenção.
  • Faça sons e incentive o bebé a imitá-los. Por exemplo de animais ou palavras fáceis como olá, mamã, papá, etc.
  • Ensine o bebé a abrir a boca e mostrar os dentes. Veja se ele o imita a deitar a língua de fora e passe-a pelos seus dentes.
  • Passeie com o bebé e ajude-o a compreender o que o rodeia mas uma coisa de cada vez. Fale do mar, das árvores, dos pássaros.
  • Leia em voz alta para o bebé. Deixe o bebé ver as imagens, folhear o livro, diga-lhe o que é a imagem. Leia o mesmo livro vezes sem conta.
  • Leve o bebé ao supermercado, aponte para as coisas e diga o que é, mostre-lhe alimentos que ele come em casa, fale sobre as frutas e legumes, descreva os alimentos entre o frio, duro, mole, etc.
  • Incentive o bebé a exprimir sentimentos procurando em revistas, fotografias de crianças, etc caras que riem, cole numa cartolina e fale sobre os sorrisos.
Estas brincadeiras foram tiradas do livro: Brincadeiras para Bebés de Jackie Silberg. a maior parte das brincadeiras estão aqui descritas mas de forma resumida e sem a descrição para o que servem, que parte do cérebro é que desenvolve, ligações sensoriais, motoras, etc. Aconselho vivamente a comprarem o livro e também o Brincadeiras para Crianças de 1 a 3 Anos da mesma autora porque além de serem livros baratos, são simples e de leitura fácil.


quarta-feira, 16 de abril de 2014

Eu Quero um Audi

Deixem-se lá de tretas porque eu quero um Audi. Eu brinco e isto e aquilo mas eu quero um Audi. Ah e dinheiro para o sustentar? E blá? E bláblá? Quero lá saber do dinheiro para o sustentar, eu quero é um Audi para o vender.

Se ele vale 40 mil e eu o vender por 20 já estou no lucro, se vender por 10 continuo no lucro e por 5 também porque afinal ele não me custou absolutamente nada mais que cumprir a minha obrigação como cidadã e contribuinte. 

O pessoal liga para o Júlia Pinheiro todo contente e paga a chamada, eu não ligo para lado nenhum e não gasto um tostão a mais, além do que já era esperado, só que agora o Estado caloteiro anda atrás dos outros caloteiros e dá-me a oportunidade de ganhar um carro. Ok, eu não o posso sustentar mas nem que o venda por 1000€, estou no lucro e nem 5€ da lotaria me custou.

Ah e blá blá. Mas blá blá o quê? Eu continuo na minha: se eu trabalho e não posso fugir ao fisco, porque se pudesse se calhar juntava-me ao resto da malta porque também estou cansada de ser chulada, porque é que todos os outros hão-de escapar??? Está a sair-me do bolso (e logo a mim que já pedia facturas antes) tanta ladroagem sem ninguém dar hipótese ao Estado de se redimir para então falar mal. 

Do meu ordenado o Estado tira-me em descontos para a Segurança Social, IRS e depois IVA, 50% de tudo o que ganho porque além de ter ao seu serviço vigaristas é vigarizado todos os dias por aqueles que o apelidam de ladrão e se agora me quer dar um Audi, ou um Renault, ou capaz de compras, ou uma chupeta não sou eu que vou reclamar. Eu só reclamo é porque o Estado é tão otário e gerido por gente tão incompetente e burra que em vez do Audi deveria fazer de cada um de nós um inspector das finanças e devolver a cada cidadão, no mínimo 5% dos gastos em IVA e vocês haviam de ver as bocas de trapo que agora reclamam do Audi a fazer colecção de papéis...

Espero bem que me saía o Audi... e que eu o consiga vender porque preciso de dinheiro para ir a Cuba (Cuba del Fidel).

terça-feira, 15 de abril de 2014

Mensagem de Amor

Dizem que ajuda a manter a chama acesa deixar mensagens para o nosso amor espalhadas pela casa. Já não me lembro da última vez que fiz essa brincadeira mas hoje decidi que era dia de reavivar a nossa paixão:

Não, Não, Não me Calha Só a Mim

Quando o Diogo quer companhia para dormir... quer mesmo companhia para dormir.
E quando alguém decide que: "Ele hoje pode dormir no sofá..." Sujeita-se!!!


segunda-feira, 14 de abril de 2014

Cães de Raça Perigosa sem Açaime

Cão é cão. É animal irracional que pode ou não ser mais besta que o homem. E cão grande é cão grande, mete medo. Seja ele de raça perigosa ou não, a verdade é que tem uma boca grande, dá grandes dentadas e não se lhe pode dar um pontapé como se dá a um cão pequeno se nos morder.

Claro que não quero bater nos cães mas não posso admitir que as pessoas teimem em não cumprir a lei e andem a passear cães de raça perigosa sem açaime. Imaginem o Passeio Marítimo em Santo Amaro de Oeiras num dia de Sol como o de ontem mas sem chamamento para a praia... conseguem imaginar?

São cães por todo o lado misturados com crianças de todas as idades, a brincar de todas as formas possíveis e se de repente um desses cães ao ser tocado inadvertidamente por uma criança (o que acontece triliões de vezes), por um qualquer motivo, inexplicável, morde uma criança? Faz-se o quê? Manda-se abater o cão? Passa-se uma multa? Obriga-se a pagar uma indemnização e os tratamentos da criança? e quem paga o medo da criança? O trauma? O possível e permanente defeito físico e ou a própria vida?

Não sou nada contra quem tem cães, pelo contrário mas, repito, dá-se muito mais facilmente um pontapé num cão de porte pequeno e médio do que num cão grande, seja ele de raça perigosa ou não, mas se a lei manda usar açaime nos de raça perigosa porque é que as pessoas teimam em não cumprir a lei e as autoridades teimam em fechar os olhos?

Nova Sobremesa?

Acabei de descobrir o caminho para a comida da gata. Tão depressa a minha mãe não precisa fazer sobremesas!!!


12 e 13 de Abril

Este fim de semana não fomos muito longe, fomos logo ali ao Passeio Marítimo de Santo Amaro de Oeiras. No Sábado foi mais Zen porque não estava quase ninguém e a minha mãe sentou-me a brincar ao som do mar. No Domingo foi a doideira comigo ao colo marsupial do meu pai e a minha mãe a perseguir-me.



quinta-feira, 10 de abril de 2014

"Dança do Campeão" - Mastiksoul, Rui Unas & Luciana Abreu



1ª Refeição Completa

Ontem foi um dia especial lá em casa. 

Eu estava mais expectante que preocupada e correu tudo conforme as minhas expectativas. O Diogo comeu tudo como se fosse hábito ter aquele tipo de refeição e nem o facto de estar um pouco ensonado o demoveu de saborear e abrir a boca à espera de mais.

A primeira refeição completa foi uma Sopa Base com cenoura e peixinho desfiado (que já tinha feito anteriormente) seguiu-se o prato de Empadão de Carne Picada com Ervilhas e para sobremesa uma deliciosa Mousse de Banana com Iogurte.

quarta-feira, 9 de abril de 2014

Porque Escrevo

Porque escreves um blog que só tem 13 seguidores?

Porque quero, porque gosto, porque posso e porque me apetece. O blog é lido por quem quer e muitas vezes não são só 13 pessoas outras são

Além disso não são 13 seguidores são 12 porque um dos seguidores sou eu, portanto, é tal e tal como Cristo e os Apóstolos... um dia dá direito a Bíblia com profecias e análises históricas pelos mais credenciados psiquiatras da nossa praça. 

Há-de vir um escritor qualquer e transformar este blog num romance histórico cheio de charadas e códigos secretos. É só esperar... sentada!

terça-feira, 8 de abril de 2014

1ª Vez na Areia da Praia

Acho que vou ter um Verão espectacular. 

É sempre tempo de férias e descanso. 

O Sol e o bom tempo fazem-nos sentir tão bem, descontraídos e relaxados e bem que precisamos de luz nestas cabeças que as dificuldades que uns atravessam, mais do que outros, afectam-nos a todos.

Mas vai ser o primeiro Verão que o bebé vai puder brincar na água e na areia e vai ser memorável.

Ele gosta de água e este fim de semana sentiu a areia, pela primeira vez e gostou.

Só falta ir a banhos. Bem, a verdade é que ele já levou com uma onda aos 2 meses e não chorou mas não se lembra.

Molhas ou Não Molhas?

Vamos lá ver se agora nessa banheira consegues molhar-me a casa de banho toda. Ah pois é bebé!!!

sexta-feira, 4 de abril de 2014

Prestações

Lá em casa até na doença somos pobres. Então não é que ficou tudo doente ás prestações???

Primeiro o bebé com nariz entupido, ligeira rouquidão, quase uma semana depois, ainda o bebé não estava bom, fui eu. Uma semana depois como não melhorava decidi finalmente ir ao médico e tinha uma infecção respiratória. 

Como estou a ficar boa e esta "brincadeira já tem quase uma semana, heis que o pai Luís fica entupido e rouco.

Só espero que não demore uma semana para ele ficar bom e que depois a gata não se lembre de nada porque ia ser uma desgraça ter de lhe enfiar nasotinatiol pelo nariz acima e não a estou a ver gostar de Vick.

quinta-feira, 3 de abril de 2014

Curriculum Vitae - Mãe by Polo Norte

Eu sigo o blog de uma Ursa. é talvez a Ursa mais famosa e faladora do Mundo e como ela fala... tem ideias, opiniões, faz apelos, doações e fala... Não sei onde é que ela vai arranjar ideias para tanto mas aquela cabeça não pára. 

Umas vezes concordo, outras discordo mas sigo a Ursa porque gosto dela, porque é muito mais bonita que a Popota (que além de feia veste-se muito mal) e porque ela fala... fala... e fala. Eu não sei onde ela vai arranjar ideias para tanto acho que ela  não é Bi mas Quadripolar... só pode!!!

Ora a Ursa é orgulhosamente mãe de uma menina com olhos de Céu e cabelo de Sol e recebeu um email de um colega a perguntar profissionalmente por ela mas quando ela lhe disse que esteve 1 ano a ser exclusivamente mãe ele respondeu que isso ia dar-lhe cabo do curriculum porque nesse ano não desenvolveu nenhuma competência. 

A Ursa que tem veia poética quando quer, pêlo na venta quando lhe apetece e umas garras de respeito dá-lhe a resposta mais genial de todos os tempos e que deveria ser lida por todas as mães e acrescentada em todos os CURRICULUM VITAE. 

Não percam AQUI  ou leiam a transcrição que fiz:


"Querido Paulo, 

Uma vez que te senti preocupado com a minha vida profissional e certa que estou das tuas intenções na árdua tarefa de me ajudar a regressar ao que é importante, a fazer valer enquanto profissional, ocultando este percalço que foi o da minha maternidade e os constrangimentos que tal trouxe para a minha carreira, junto submeto o meu CV actualizado para tua análise e apreciação. 

Desde já obrigada. 

L."

CURRICULUM VITAE (actualizado)


INFORMAÇÃO PESSOAL
Pólo Norte - Mãe

EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL

Março de 2012 - Agosto de 2012
Grávida de alto risco


Descrição da tarefa: Vomitar 300 vezes ao dia no intervalo de 30 entrevistas de selecção, fazer boa cara aos candidatos, fazer xixi de 10 em 10 minutos e aguentar sem o fazer em reuniões de três horas com clientes, ministrar formação de pé durante oito hora seguidas e, com especial destaque, para o período pós-almoço quando o sono bate tão forte que é impossível manter as pálpebras abertas. Lidar com a notíia de que as coisas não estão a correr bem apesar do esforço em gerir a gravidez e a carreira, Vir da médica com indicação de repouso absoluto. Cumpri-lo, sem fazer qualquer esforço físico, a gerar um bebé, com uma alimentação rigorosa, sem poder sair à rua, confinada a quatro paredes, sem poder deprimir que o bebé pressente essas coisas, a receber uns 343637 emails por dia com pedidos de relatórios, chamadas a perguntarem onde está o dossier y e em que pasta do pc está o ficheiro z que isto de procurar é uma maçada, lidar com uma total falta de respeito, desprezo absoluto e incapacidade natural de empatia da entidade empregadora seu teu estado de saúde frágil e risco de perda do bebé. Ir a 500 consultas, aguentar sem chorar de cada vez quue somos pesadas, decifrar a mensagem do semblante da médica de cada vez que faz um ecografia e mantém o silêncio, confirmar o sexo do bebé, comprar o enxoval, decorar o quarto, escolher o nome, aguentar noites de inónias, prisão de ventre, a impossibilidade de encontrar uma posição confortável par dormir,  o pedo da barriga, as dores nas costas


Competências desenvolvidas: Disciplina. Rigor. Adaptação à mudança. Controlo e gestão de emoções. Resistência à frustração. Paciência. Gestão de prioridades. Pensamento holístico.

Agosto de 2012
Parturiente e mãe de bebé-recém nascido prematuro


Descrição da tarefa: Ser submetida a uma intervenção cirúrgica que resulta num ser vivo cá fora. Aprender a cuidar dele ainda com uma barriga cheia de pontos, ser firme e recusar visitas de cortesia na maternidade para além das da família de primeiro grau, firmar a posição de que não se quer amamentar contra tudo e todos, lidar com os olhares de reprovação, aprender a gerir  culpa de todas as decisões que se tomam em detrimento de todas as opções que foram preteridas. Aprender a dar banho, a actualizar medidas de biberão, a melhor posição para arrotar, que as chuchas de bebé têm tamanhos, que há NAN mas que o NAN confort é que é melhor para os intestinos do bebé, procurar onde se vende xarope de mação reineta para passar a prisão de ventre, encontrar o ângulo para deitar o bebé de barriga para baixo nos nossos braços de modo a passarem as cólicas, aprender a melhor forma para o adormecer, a ouvir quinhentos bitatites por dia divergentes sobre o melhor para o nosso bebé, decidir pela própria cabeça o que é melhor para ele,  lidar com a pressão e com a preocupação constante sobre se ele está bem, se respira, se está com dores, se tem fome, sono, fralda suja ou está só aborrecido tendo como único indicador um choro que, ao início, parece sempre com os mesmos acordes.  Aprender a ver o marido companheiro como pai, membro com iguais direitos e deveres que partilha as tarefas e não que participa como figurante nas mesmas. Reajustar o conceito de família e criar a sua própria dinâmica familiar.


Competências desenvolvidas: Resistência física. Assertividade. Não conformismo. Firmeza. Auto-confiança. Facilidade de aprendizagem. Multitasking. Flexibilidade. Atenção ao detalhe. Capacidade de observação. Resiliência. Resistência ao stress. Dinamismo. Criatividade. Capacidade de adaptação. Capacidade de tomada de decisão. Comunicação não verbal. Cooperação. Espírito de equipa. Capacidade de delegação e descentralização de tarefas. Adaptação à mudança.

Setembro de 2012- Fevereiro de 2013
Parturiente e mãe de bebé-recém nascido prematuro.
Mãe júnior.

Descrição da tarefa: Ver a sua casa ser assaltada e ficar sem quase nada. Lidar com o medo. Decidir mudar de casa e fazer mudanças, encaixotar e desencaixotar o que sobra, passar dias inteiros da licença de paternidade a comer pó, a limpar estores e janelas da casa nova, a arrancar papel de parede, e desmontar e montar móveis, a dispôr a mobília, a arrumar tarecos, a deixar a filha bebé na avó para que ela não coma pó e a sentir-se culpada por . Procurar uma pediatra, ir às primeiras vacinas, e às segundas, e às terceiras. Pagar consultas de 75€ mensais, fraldas aos magotes ao preço do whisky de 20 anos, latas de leite mais caras porque evitam as cólicas sem que o Segurança Social ainda tenha procedido ao pagamento do subsídio de maternidade. Reajustamento do orçamento familiar. Ter que confirmar no Hospital de Santa Cruz que o sopro no coração tinha, efectivamente, fechado. Receber na casa nova, ainda em mudanças, as visitas todas que queriam conhecer a miúda. Sentir-me com dores. Perceber que aquilo das hemerróidas no pós-parto não acontece só às outras. Superar o nojo de pegar, pela primeira vez, no Narihnel. Aprender a fazer vapores na máquina. Lidar com a relação bipolar da cria face ao banho (horror para entrar/horror para sair). Cozinhar as primeiras sopas. Decorar os ingredientes que se vão adicionando e estar atenta à possibilidade de alergias. Ter motricidade fina para dar a sopa e acertar na boca da miúda sem fazer um estardalhaço à volta. Não esquecer da vitamina A antes de dormir.  Prescindir da decoração minimalista de casa em detrimento das espreguiçadeiras, tapetes de actividades, livros com sons, mil telefones e afins que enfeitam todas as divisões. Fazer com que o dia renda o suficiente para fazer todas as tarefas imperativas e , ainda, não deixar que a roupa suja tenha um efeito multiplicador. Rejubilar com competências adquiridas como o virar, sentar, bater palmas. Sentir-se tonta de felicidade com coisas tão banais. 

Competências desenvolvidas: Gestão de prioridades. Combate ao materialismo. Trabalho sob pressão. Resiliência. Disponibildade para aprendizagem contínua. Espírito de iniciativa. Questionamento. Sentido crítico. Capacidade de empatia. Atenção ao detalhe. Capacidade de negociar e ceder. Gestão de tempo. Tolerância ao stress.

Março de 2013- Agosto de 2014
Mãe

Descrição da tarefa:  Ganhar hérnias discais. Ser internada com um problema grave de coluna. Ensinar gracinhas, músicas, danças. Ouvir em looping mil vezes a música do "come a papa, Joana". Assistir ao gatinhar. Resistir, incólume e valente, às primeiras quedas. Aprender o que é Arnidol. Decidir que, mesmo que de forma não popular, se assume que se vai prolongar a licença de maternidade, correndo o risco de ser ostracizada, posta de parte, preterida e ignorada pela entidade laboral quando se regressa. Correr o risco de não prescindir do direito contemplado na legislação. Fazer as primeiras papas, dar a provar os primeiros sólidos. Inscrever na natação. Derreter a vê-la de fato de banho. Deixar de ser uma figura central na esfera familiar e a passar a ouvir toda a gente perguntar pela "menina". Organizar um baptizado a milhares de quilómetros de distância. Não stressar quando os planos não resultam da forma como tinhamos pensado. Replanear. Ter capacidade de improvisar. Prescindir da sua identidade e relevar de cada vez que alguém a trata por "Mãe". Pesquisar tudo sobre percentis, deixar de pesar a miúda sem ser no médico para não stressar. Testar a resistência do coração da primeira vez que ela cai a sério. Apreciar a primeira ida à praia. Deixá-la experimentar o mundo. Ler histórias. Saber quem são os caricais e saber de cor as coreografias. Preparar uma primeira festa de aniversário inesquecível. Cumpri-lo. Não se arrepender, um segundo que seja, do dia em que se quis ser mãe. Ser mãe, exactamente, assim.  

Competências desenvolvidas: Paciência. Resistência a actividades rotineiras. Auto-controlo. Sangue frio. Gestão de prioridades.  Gestão do risco. Destemor.Tolerância ao stress.  Resiliência. Gestão de conflitos 
Autonomia. Identificação de oportunidades. Planeamento.Capacidade de improviso. Replaneamento. Inovação. Persistência. Capacidade de se auto-motivar. Compromisso ético. Relacionamento interpessoal a longo prazo. 

EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO
Auto-didacta.

COMPETÊNCIAS PESSOAIS
Língua materna- Português

Outras línguas:
COMPREENDER/ FALAR/ ESCREVER
Babylese- C1/C1/C1

Competências informáticas-  Esterilizador de biberons (nível avançado). Máquina de aerossóis (nível avançado). 

Outras competências- Especialista em adormecê-la em cinco minutos. Largo repertório de músicas infantis. Ouvido treinado para destinguir 432 tipos de choro e seus significados. 

Carta de condução de carrinho com e sem ovo incorporado. 
Destreza no transporte de ovo só com o ante-braço.
Anca esculpida para transporte ao colo, sem qualquer risco de queda. 

INFORMAÇÃO ADICIONAL 

Referências - Ana - filha Tel.: +351 123 456 da Chicco ou contacto através de qualquer comando de televisão. De preferência do que funciona a sério, o de cá de casa. "


Ir aos Brinquedos

Brinquedos venham até mim ou eu... ou eu... ou eu...vou até vocês!!!

quarta-feira, 2 de abril de 2014

O Livro

Eu gosto muito deste livro por causa das texturas mas era mais fixe se o pudesse comer!!!
Quero outro mas com sabor a... a... a....


terça-feira, 1 de abril de 2014

ReMoved - Vídeo

No Mundo Ideal isto não devia de acontecer. No Mundo Ideal qualquer tipo de violência não deveria ser mais do que um sonho muito mau. No Mundo Ideal qualquer tipo de violência exercida sobre crianças deveria ser uma página arrancada de um livro com uma história que nunca existiu mas... isto é tudo No Mundo Ideal.

No Mundo este vídeo é uma história com um Final Ideal... e deveria ser Sempre Real.




Fonte: Ela e Ele